Campinas tem a pior Saúde Pública da RMC

01/11/2018

3ºTrimestre/2018

Satisfação com a área está estabilizada

O congelamento de verbas na área da Saúde de Campinas, previsto no final do ano passado pela Secretaria, paralisou também a satisfação com a área por parte dos moradores. Neste 3º trimestre, a cidade ficou na última posição do ranking do segmento entre as 15 maiores cidades da RMC (Região Metropolitana de Campinas). A pesquisa foi realizada pela INDSAT.

 

Em 2017, a área da Saúde já enfrentava crises no atendimento, falta de leitos e suspensão de exames laboratoriais. Mesmo assim, a Secretaria de Saúde chegou a anunciar, no final do ano, que o orçamento da pasta se manteria em R$1,2 bilhão para 2018. O valor da verba é o mesmo de 2017.

 

Apesar de afirmar que o recurso seria devidamente redistribuído, o cenário da falta de medicamentos e profissionais não mudou e a satisfação com a saúde  também está paralisada. A Saúde Pública de Campinas recebeu 459 pontos e Baixo Grau de Satisfação, classificação atribuída aos segmentos que registram entre 350 e 499 pontos.

 

Em toda a série histórica da INDSAT, a área da Saúde sempre foi contemplada com Baixo Grau. Durante a primeira metade do ano passado, o segmento registrou entre 433 pontos e 456 pontos.

 

A pontuação permaneceu praticamente estabilizada no levantamento seguinte, quando o índice de satisfação com a Saúde registrou 441. Ao fechar 2017, o índice registrou sua menor pontuação: 399 pontos.

 

No início deste ano, a satisfação com a Saúde apresentou indícios de evolução. No 1º trimestre de 2018, o setor recebeu 470 pontos. A pontuação cresceu no levantamento seguinte, mas voltou a mostrar queda no trimestre atual.

O levantamento mostrou que a insatisfação é maior entre moradores mais jovens, ou seja, que têm entre 16 e 30 anos de idade. Quando apenas a escolaridade dos entrevistados é analisada, a pesquisa conclui que campineiros com Ensino Superior são os que mais reprovam a Saúde.

Atualmente, a Secretaria de Saúde de Campinas é comandada por Cármino de Souza. Entre os 16 serviços analisados na cidade, a área é considerada o 2º pior segmento. Apenas Geração de Empregos recebeu resultado inferior ao da Saúde.

 

A INDSAT também realiza pesquisas para medir o índice de satisfação de serviços públicos como Educação, Saúde, Segurança e Limpeza Pública.

 

55% classificam a Saúde como “ruim” ou “péssima”

 

A INDSAT possui uma metodologia exclusiva de classificação baseada nos critérios de “ótimo”, “bom”, “regular”, “ruim” e “péssimo” para calcular o grau de satisfação dos serviços públicos.

 

Em Campinas, a Saúde recebeu 21% de “ótimo” e “bom”, 24% de “regular” e 55% de “ruim” e “péssimo”. Mais da metade dos moradores estão insatisfeitos com o serviço prestado.

Campinas faz parte do grupo da RMC (Região Metropolitana de Campinas) e das 10 maiores cidades do Estado de São Paulo na cobertura da INDSAT. Além dos dois grupos, o instituto também realiza as pesquisas trimestrais em 12 cidades do Aglomerado Urbano Piracicaba.

 

 

 

 

 

Foto: Reprodução/EPTV

 

 

 

 

 

Compartilhar
Compartilhar
Please reload

Em destaque

Mauá recebe Baixo Grau de Satisfação em Educação Pública

13/11/2019

1/10
Please reload

Recentes
Please reload

Arquivo