Saúde Pública de São Paulo tem 50% de ruim e péssimo

20/07/2018

2º Trimestre/2018

         Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

 

Sabe aquele momento em que você tem um parente na UTI e um médico se aproxima e diz que o estado de saúde dele piorou? Este é o recado que a população paulistana está dando ao seu prefeito Bruno Covas (PSDB) sobre o estado da Saúde Pública de sua cidade.


No último levantamento realizado pela Indsat no segundo trimestre deste ano, já após a saída de João Doria, a saúde pública paulistana registrou 50% de ruim e péssimo e apenas 24% de ótimo e bom. Os demais 26% disseram que ela se encontra regular. Foram ouvidas 400 pessoas entre os meses de abril, maio e junho deste ano. 

Os números dão a São Paulo 470 pontos no ranking Indsat, o que lhe confere o atributo de Baixo Grau de Satisfação. Entre as 10 maiores cidades do Estado, a Saúde Pública de São Paulo apresenta apenas a sexta melhor avaliação.  


Desde o início do governo de Doria, em janeiro de 2017, a Saúde apresentou poucos sinais de melhora e flutuou entre 418 e 472 pontos, nunca deixando o baixo nível de satisfação. É quase como se ela estivesse respirando por aparelhos, sem muita esperança de melhora. 

Para construção do ranking de satisfação, a Indsat realiza pesquisas domiciliares nos 10 maiores municípios do Estado de São Paulo. São 400 entrevistas por localidade, o que perfaz um total de 4 mil entrevistas nas cidades de São Paulo, Guarulhos, Campinas, São Bernardo do Campo, Santo André, São José dos Campos, Osasco, Ribeirão Preto, Sorocaba e Mauá.
 
A partir de uma escala atributiva de pontos baseada nos critérios de ótimo, bom, regular, ruim e péssimo, é elaborado o ranking de satisfação das Administrações e Câmara Municipais e de outros 16 serviços públicos prestados no município.

 

Compartilhar
Compartilhar
Please reload

Em destaque

Leme tem Grau de Excelência em Coleta de Lixo

21/02/2020

1/10
Please reload

Recentes
Please reload

Arquivo