44% estão insatisfeitos com a Saúde em Paulínia

09/07/2018

Área chegou a conquistar Grau Médio de Satisfação, mas reprovação ainda é alta

        Foto: Prefeitura Municipal de Paulínia (divulgação)

 

A Saúde Pública de Paulínia é reprovada por 44% dos moradores. É o que aponta pesquisa realizada pela Indsat no 1º trimestre deste ano. Como resultado, o setor foi classificado com Grau Médio de Satisfação.

 

Do total de entrevistados, 23% avaliaram a Saúde de forma positiva e 33% responderam que o setor está “regular”. A partir dos critérios Indsat, o segmento recebeu 530 pontos.

 

O levantamento também apontou o perfil dos moradores que mais reprovam a Saúde Pública. Quando levada em conta a faixa etária, entrevistados que têm entre 31 e 50 anos de idade são os que mais reclamam do serviço. Ao analisar apenas a escolaridade, a reprovação é maior entre moradores com Ensino Médio.

No início do ano passado, o índice da Saúde chegou a ser ainda menor: o segmento havia conquistado Baixo Grau de Satisfação. O número foi aumentando gradativamente ao longo de 2017 e Paulínia fechou o ano com 542 pontos. Além da Saúde Pública, a Indsat avalia trimestralmente outros 15 segmentos. Educação, Transporte e Segurança Pública.

 

Saúde Pública enfrenta impasses desde 2017

 

Os baixos índices de satisfação registrados desde o ano passado são reflexos de inúmeras dificuldades enfrentadas pelos moradores. Em maio de 2017, o Hospital Municipal de Paulínia chegou a suspender a realização de exames de raio-x e identificar falta de insumos no local.

 

Com equipamentos quebrados, a gestão também havia suspendido consultas e cirurgias eletivas. A Corpus, responsável pelo serviço de limpeza no local, paralisou os serviços por falta de pagamento, obrigando o Hospital a limitar até mesmo os casos de urgência e emergência.

 

Também no ano passado, o secretário de Saúde, Cláudio Miranda, deixou o cargo em novembro. A Secretaria foi, então, assumida pelo cardiologista Yanko Gonçalves Mello. Foi a terceira substituição em menos de um ano, já que Dr. George Burlandy havia pedido demissão em abril.

 

De um ano para cá, a Saúde Pública apresentou pouca evolução na pontuação Indsat. O setor conquistou Grau Médio de Satisfação, mas as reclamações de moradores continuaram.

 

De acordo com o relato de uma moradora ao G1 no início de fevereiro, muitos pacientes aguardavam em uma fila durante a madrugada para conseguir agendar consultas na UBS Luis Candido Canella Sanches. A maior parte saiu de lá sem sucesso. Já a Prefeitura disse que o caso havia coincidido com o agendamento para a vacinação contra a febre amarela.

 

Compartilhar
Compartilhar
Please reload

Em destaque

66% reprovam o Asfalto em Monte Mor

21/01/2020

1/10
Please reload

Recentes
Please reload

Arquivo